Especial para Psicanalistas pela Democracia

Quando o normal é o patológico ou como Dellagnol, Moro e Bolsonaro planejam por fim à democracia brasileira, levando com ela suas instituições jurídicas e corpos e sangue de brasileiras e brasileiros vítimas da incitação ao crime, à bestialidade e à ilegalidade. Por Paulo Endo

  Reprodução de diálogo publicado no UOL (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/07/esquerda-ira-a-conselho-contra-deltan-e-vem-pra-rua-defende-chefe-da-lava-jato.shtml):   Deltan Delagnoll 20:25:21 Vc (se refere a sua esposa Fernanda Dellagnol) e Amanda do Robito estão com a missão de abrir uma empresa de eventos e palestras. Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade…   20:25:51 Vcs não vão ter …

Entrevista de Paul Preciado por ocasião do lançamento de seu novo livro: Un apartamento en Urano. Por Ariana Sáenz Espinoza.

Prezadas e prezados leitores e colaboradores do Psicanalistas pela Democracia publicamos hoje, em primeira mão, a entrevista concedida por Paul Preciado, escritor, filósofo e curador à Ariana Sáenz Espinoza, a propósito do lançamento de seu último livro na Argentina intitulado Un apartamento en Urano Psicanalistas pela Democracia agradece ao nosso colaborador Paulo Henrique Fernandes, professor de …

A evitação de sobressaltar-se diante das mensagens entre Moro e os procuradores da Lava-Jato. Por Gabriela Costardi.

A evitação de sobressaltar-se diante das mensagens entre Moro e os procuradores da Lava-Jato   Por Gabriela Costardi, de Los Angeles, especialmente para o PPD   As mensagens tornadas públicas pelo site The Intercept Brasil (e seus órgãos parceiros) desnudou um fato há muito tempo denunciado pelos críticos da Lava Jato: o de que um …

Fim do ciclo Bolsonaro. Início do ciclo da violência ? Ou Bate-se em um país – Por Paulo Endo

  O governo de Bolsonaro fracassou, era de se esperar mas ocorreu antes do esperado.  Prosseguindo a partir desse ponto não será apenas fracasso, mas atrocidades,  tentativa de extermínio de populações, violência contra opositores e manifestantes, extinção da cultura, do pensamento e dos saberes acadêmicos e populares e de direitos conquistados. Sua maior conquista, considerando …

A guerra que mudou o mundo. Por Abrão Slavutzky.

Desde adolescente gostei de cartas. Escrever e receber cartas fez parte de meu cotidiano por décadas. Hoje encontrei uma forma de escrever cartas aqui sem ter que ir ao correio e por selos. As cartas de escritores, pensadores, leitores, são indispensáveis para se entender a condição humana. Conheci um apaixonado por escrever cartas, foram quase …

Marielle virou semente e está crescendo em nós. Por Jaquelina Maria Imbrizi

Título: “Marielle virou semente e está crescendo em nós”. Por Jaquelina Maria Imbrizi Epígrafe: “A Marielle perguntou Eu também vou perguntar: Quantos mais têm que morrer Para essa guerra acabar?” O grito de guerra, ou palavra de ordem, que abre o presente texto se refere às vozes que ecoaram nos quatro cantos do Brasil, e …

Um canto à liberdade. Por Abrão Slavutzky

               Miguel de Cervantes comeu o pão que o Diabo amassou, pois  morreu com seis dentes. Na verdade, o escritor perdeu bem mais que os dentes, ele perdeu duas vezes a liberdade. Foi preso em Argel e depois em Sevilla, ambas injustamente. Tinha então o autor de Dom Quixote de La Mancha vivência pessoal da prisão para …

Bate-se na história. Por Paula Fontana Fonseca.

            Outro dia me peguei pensando naquele comercial que era famoso nos anos 80 e com o qual todos, de alguma maneira, se identificavam: uma adolescente entrava no elevador apressada, tomando um refrigerante Sukita no canudinho; um senhor bem apessoado num gesto cordial segurava a porta para que a garota não perdesse a viagem e …

A produção da tragédia na Escola Estadual Professor Raul Brasil. Por Paula Fontana Fonseca.

A produção da tragédia na Escola Estadual Professor Raul Brasil Paula Fontana Fonseca[1] O dia 13 de março de 2019 estava sendo vivido com a intensidade de ser a véspera de se completar um ano da execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, na cidade do Rio de Janeiro. A mídia anunciava …

Roma, entre memória e ficção – Por Ana Costa

Entre memória e ficção. Um espaço moebiano por onde se desliza dentro/fora, em que sujeito e coletivo estão em continuidade. Nele, o íntimo e o social encontram-se nesse entre, a tal ponto que não mais os distinguimos. Muitas análises já foram feitas do filme Roma, do diretor Alfonso Cuarón. Desde situa-lo como um filme pessoal, …

O que a esquerda teria a aprender com a recusa de Jean Wyllys e o carnaval brasileiro de 2019 – Por Paulo Endo

  Em 2019, Jean Wyllys anunciou que desistiria de seu próximo mandato após ter sido eleito para mais 4 anos como deputado federal. A notícia chocou o Brasil e o mundo. Jean sempre foi um dos mais ativos e combativos deputados federais dos últimos anos. Se manifestou inúmeras vezes contra as barbáries propostas pelo atual …

A contraviolência em Fanon e Florestan – Por Paulo Henrique Fernandes Silveira

[Fala para o debate sobre “a consciência negra e a cultura da paz”, organizado pelo Coletivo Alves Dias, composto por educadores de São Bernardo, ele ocorreu na Escola Estadual Mário Osório, e contou com a participação do Felipe Choco, educador no Museu Afro Brasil].   A minha alma tá armada e apontada             para a …

Duas exposições no Instituto Moreira Sales revelam que o que pode dar conta do pior que nos aconteceu é mesmo o melhor que temos – Por Paulo Endo

  Ocupam 3 galerias do IMS as exposições de Claudia Andujar e Millor Fernandes. Obras realizadas por décadas, explosões criativas, interpretações sobre o passado e indicações éticos sobre o porvir. Elas evidenciam um país com muitos legados. O legado dos talentosos, bons, sinceros e verdadeiros. Nada falso, nada fake em seus trabalhos. Tudo é uma …

Três anos, cinco jovens e cento e onze tiros – Por Bruno Fedri

Três anos, cinco jovens e cento e onze tiros. Há três anos, os amigos Carlos, Roberto, Cleiton, Wilton e Wesley, com idades entre 16 e 25 anos, saíram pelas ruas da comunidade de Costa Barros, região norte do Rio de Janeiro, para comemorar o primeiro salário de Roberto. Foram surpreendidos por policiais militares, que realizaram …