“Além de pagar a babá do Michelzinho, os vestidos de Marcela e a mesada de Cunha para onde mais irá o dinheiro arrancado com a suspensão dos direitos dos brasileiros durante a gestão TEMER?”

Beto Barata/PR

Temer, seu governo e seus aliados chegaram ao fundo do poço. Começa agora o espetáculo dantesco daquele que chegou ao poder sem qualquer legitimidade, apoiado por forças que não desejam o bem do país e nem de seus cidadãos e que fora apoiado e insuflado por grupos neofascistas que, cada vez mais inúteis e perdidos, observam todos os dias a desgraça em que meteram o país. Já saíram às ruas para pedir o FORA TEMER, juntamente com a Globo, o Estadão e todos os que contribuíram para essa mixórdia nacional.

A Globo, percebendo sua credibilidade cair em queda livre em suas tentativas desesperadas de apoiar um governo que tem 2% de aprovação, decide dar carta branca para o fim da era Temer sob pena de ser ridicularizada pelos seus próprios telespectadores.

No conjunto, sabíamos da irresponsabilidade desse que é o grupo pró-impeachment, pró-golpe e, desde cedo, sabíamos que sua estratégia seria propagar violência e ruína. Suas bravatas desmancham todos os dias uma a uma, mas eles não cedem. Cegos como cães raivosos perderam a capacidade de ver, ouvir e argumentar e, mesmo agora, não esquecem que a cada frase devem ofender e denegrir o PT com mais duas, verdadeira obsessão dos monotemáticos articuladores do desastre-Brasil e que, agora que seu líder mergulha em queda livre querem sair por cima.

Podemos tentar imaginar os próximos passos do ex-presidente, como bem disse o sábio William Bonner no Jornal Nacional de anteontem.

Desesperado, mas obcecado pelo poder, Temer já repetiu inúmeras vezes que “não vai cair” e em seu depoimento oficial afirma que não renunciará. Ele, agora mesmo, deve estar procurando adesões no baixo clero, tentando comprar com benesses, vantagens e ilícitos a todo e qualquer parlamentar, juiz, procurador, ministro e líder partidário. Abusará, como nunca do dinheiro público, arrecadado com impostos. A casa já caiu então porque não se lambuzar de vez?

Sem rumo, oferecerá tudo o que não lhe pertence e continuará negociando para permanecer ‘um pouquinho mais, só até passarem as reformas’. Está aturdido pelo palácio do planalto, vive plenamente as vantagens de ocupar um lugar que jamais lhe pertencerá.

Incauto, ficará nervoso com os subalternos e exigirá pressa na tramitação das reformas que, a essa altura, viraram pó. Contará com parlamentares suicidas e, para isso, oferecerá inúmeros ilícitos.

Covarde, colocará polícia e exército nas ruas de Brasília para impedir aproximações de milhares de manifestantes que não admitem mais um dia sequer de sua presença no planalto, mantido à base de regalias sustentadas com o dinheiro dos impostos pagos pelos brasileiros.

Inútil, tentará negociar com os grupos econômicos aos quais havia prometido mundos e fundos e cujos resultados não pôde entregar completamente. Fará promessas inexequíveis.

Dissimulado, dirá a nação que nada do que ela ouve e vê é verdade e continuará dizendo aos milhões brasileiros que aceitem o transe hipnótico que inventa um trabalhador feliz e sem direitos; um aposentado tranquilo e sem renda; milhões de brasileiros livres e sem democracia; um país orgulhoso e submisso.

Sem futuro, lembrará que um dia foi um grande constitucionalista e professor e, ao lado de Cunha, quiçá compartilhando a mesma cela, e em tom submisso e amedrontado, cobrará seu comparsa pelos reais que permitiram que as vidas de Cunha, preso, e de sua mulher, em liberdade, continuassem com os mesmos luxos e benefícios que tinham ao longo da vida corrupta e impune que sempre tiveram.

Em prantos procurará o colo de Marcela, mas que a essa altura, talvez, já estará ocupado com os prantos do pequeno e envergonhado Michelzinho.

Lamentamos que a democracia representativa tenha o legado mais escandaloso que só hoje demonstra seu tamanho e consequências. Na complexidade em que as coisas avançam e na ruptura do processo, que impõe o fazer e respeitar leis, o Brasil precisa urgentemente das eleições diretas como único mecanismo democrático que ainda sobrevive à apologia da destruição.

A sociedade precisa de novos líderes capazes de repactuar um projeto nacional e um horizonte livre para o exercício de subjetividades dos que viveram a liberdade e não renunciarão a ela, mas é preciso restituir legitimidade a essas lideranças. Hoje só o voto direto apresenta essas condições mínimas. Longe e fora dele só é possível prever destroços.

A expectativa de que um golpe funcionaria ignorou as instituições e forças democráticas que se consolidaram, durante o pouco tempo em que uma democracia vigorou no país. São elas, e apenas elas, que terão legitimidade para projetar um novo país que se elaborara como signo de uma democracia nova, consertada, mais robusta.

O país não foi destruído, não chegamos ainda à terra arrasada. Sentimos isso a cada manifestação, a cada ato, a cada tentativa de construção e reinvenção do país, a cada ativista repleto de esperança que após perderem a visão, terem o crânio esfacelado e o sangue limpo de suas vestes e faces permanecem vivos, lutando e orgulhosos de terem resistido ante a promessa do caos.

Os movimentos sociais, a mídia livre, os poucos intelectuais que estiveram ativos e vigilantes, os democratas resistentes em cada uma das instituições brasileiras e os inúmeros movimentos de estudantes e trabalhadores saberão dar curso ao Brasil saído de um golpe.

Um grande pacto terá de advir.

Temos esperança de que a esquerda também amadureceu, saberá se entender e compartilhar o essencial abandonando os narcisismos que sempre a impedem de se articularem no longo prazo.

Tudo o que vemos não é mais tenebroso apenas por que vemos. Isso sempre esteve presente no Brasil drenando a energia e os recursos nacionais e inscrevendo em cada um de nós um escafandro identitário contraditório.

Somos o país do futuro ou do atraso? Somos exóticos ou risíveis? Originais ou cópias baratas? Cordiais ou submissos? Indignados ou indolentes? Americanos ou americanizados?

O diagnóstico está feito, o mapa está a nossa frente. Daqui para diante não poderemos alegar a escuridão para justificar a perda de rumos e uma nova e alvissareira cartografia haverá de ser feita pelos que, nem por um minuto, deixaram de acreditar na nossa democracia e no desejo imenso que tantos tem de que o Brasil, um dia, floresça como merece, sempre mereceu.

Temer ganha tempo. Ao não renunciar e sair do poleiro com o mínimo de dignidade, mantém o foro privilegiado e terá tempo de fazer um sucessor por vias indiretas. Nesse aspecto continua um comparsa do projeto Rede Globo.

O principal não é sua permanência ou queda, mas a concretização do projeto de atraso do Brasil ainda não inteiramente concluído. Recomendamos ao leitor a publicação do site Alerta Social intitulada “365 direitos perdidos”, que faz um apanhado do ataque frontal à população brasileira mais vulnerável e pobre empreendida sem tréguas, ao longo do último ano, pelas forças que compõem o projeto que o atual governo representa. (http://alertasocial.com.br/?p=3602).

Para estancar a sangria a queda de Temer é um primeiro passo, mas ele não é decisivo. Pode ser o começo do fim, mas estancar a retomada de eleições livres e justas, com chances reais para um candidato que defenda uma pauta à esquerda, é o que visa a todo custo o projeto Temer, que persistirá mesmo após sua derrocada.

As últimas notícias animaram as mobilizações e indicaram que o projeto das elites nacionais corre perigo, que as esquerdas também se beneficiam de erros da direita e podem surfar enquanto os promotores do projeto desastre batem cabeça. De súbito tudo adquire um sentido novo, colorido e vistoso e a agenda das ruas se intensifica. O projeto Globo passa à execução do plano B. À nossa frente Rodrigo Maia e Carmen Lúcia. A próxima tarefa é deixa-los para trás arrastados pelo vórtice das Diretas Já.

Mas Temer ainda não desistiu de ser o menino prodígio do golpe. Acredita em sua tarefa e na antessala onde, como presidente da República, conversa amigavelmente com empresários que narram como se obstrui a justiça influenciando juízes e plantando procuradores. Diante deles o presidente só tem a dizer: É complicado.

Temer, role para o lado, a caravana precisa passar!

Diretas imediatamente agora, para reiniciarmos a caminhada para o país que queremos e aprofundar a nossa ferida, mas querida democracia. Aquela que sobrevive e pulsa no coração de milhões de brasileiros!