Sexta, #31M, mais uma manifestação iniciada na paulista. Saiu do MASP, como sempre, serpenteou a consolação até chegar na Praça da República.

Mas, dessa vez, havia um clima diferente no ar.

Diferente das outras centenas de manifestações, milhares pelo país, havia uma certeza pairando, uma tranquilidade esboçada entre os manifestantes, nos sorrisos no rosto, nas música que irradiava aqui, ali e acolá, nos arredores. Havia um clima de certeza de que, no final, venceremos.

Bom humor, congraçamento entre amigos, conhecidos se reencontrando, em diferentes cantos da Praça da República e adentrando pelos bares na Barão de Itapetininga, na Sete de Abril, na Basilio da Gama…

Dentro dos bares, já no início da dispersão, ouvia-se vez ou outra alguém puxando um Fora Temer! Seguido de um uníssono: FOOORA TEMER! E risos e alegria.

    

Crianças dançavam ao som do maracatu: FOLA TEMER! FOLA TEMER!

Grupos de batuque, samba, carnaval. Festa republicana na Praça da República!

Milhares de manifestantes que não pararam de se organizar, protestar e se manifestar um dia sequer desde que, em abril do ano passado, na vexaminosa votação na câmara dos deputados, na qual cada declaração de voto evidenciava o descalabro que é o poder legislativo do país, tinha início o golpe parlamentar-midiático-empresarial.

Para a surpresa de muitos que viram descrentes os que foram para as ruas dizer não, ainda em lágrimas, horas depois da votação na câmara e depois no senado, hoje constatam: sim, eles ainda estão nas ruas. Mas, ao contrário do que tantos desejavam e dos muitos que torciam, eles estão mais convictos, mais confiantes, mais sorridentes e divertidos.

Fica claro que um luto está sendo atravessado. Os golpes de morte à democracia, não mataram os democratas. Redivivos eles continuam nas ruas, nos coletivos, praças, teatros, shows e se manifestando em salas de aula, blocos de carnaval, livros, palestras, sites, blogs, páginas e construindo a democracia de amanhã.

Se ontem havia a certeza triste de que a democracia demoraria, hoje há uma luz forte no fim de um túnel iluminado pelos muitos que não deixaram de acreditar e dos que, pouco a pouco, voltam a acreditar animados pela agenda repleta das manifestações que não cedem.

As lamúrias não acinzentam mais o que vemos nas ruas hoje. Elas estão sendo coloridas com convicção. Os movimentos não lamentam mais a porrada imensa dada no país inteiro em 2016. Eles progridem para a construção de um outro país, sempre outro em relação ao mesmo. Dos mesmos no poder, de benesses para os mesmos, de compromissos e indecências acertados entre portas de gabinetes pelos mesmos gerando a indigência e a indecência dos que defendem s 1% da população com unhas e dentes. Tenha vergonha Temer, saia logo!

Não se pode restaurar inteiramente o passado. Em si mesmo o passado é o resto de marcas que não mais restauram a experiência inteira. Mas ainda há de se conquistar o que se desenha, o que se deseja e o que se imagina para o futuro. Uma democracia esperta há de nascer do que foi, antes, uma aspiração incerta por uma democracia ingênua, repleta de concessões e das coalizões que a debilitaram e a quebraram.

Nas ruas, na última sexta-feira, entretanto, o que se via era mais uma festa da diversidade. A diversidade como expressão pública é o que castra a mesmidade tão ansiada e praticada no privado.

As manifestações se convertem também na festa dos diferentes que haverão de castrar, limitar, corrigir o pacto que as sempre pusilânimes elites brasileiras fazem entre si para preservar o que, de algum modo, já lhes foi retirado. Eles ainda o fazem, mas indignamente, vergonhosamente, entre sarjetas e bueiros. Os democratas os envergonham.

As apequenadas grandes mídias desviam do elefante branco e fingem não ver. 300 mil nas manifestações passadas, 70 mil nessa, 100 mil ano passado e milhões pelo Brasil. Fazem de conta que nada está acontecendo.

Convocam às pressas as aberrações que ainda acreditam em mbls e vem prá rua capitaneados pelas ‘grandes’ lideranças Holyday e Kataguiri, mas veem uma centena de desgovernados na avenida Paulista andando a esmo. Esse movimento já cumpriu o combinado e deverá ser descartado.

O primeiro a rachar com o golpe da onda será o grande patrono e fiel escudeiro de sucessivos golpes no país: o PMDB que começa a rachar de fora a fora.

Dona Ana, 59 anos, que sexta-feira foi sozinha à manifestação, disse: “Eu vim sozinha. Eu não coloquei ele(Temer) lá. Ele está espatifando com a nossa vida. Para ser um presidente precisa ser mais correto.” E conclui: “Nós não colocamos ele lá!”

“Antes – ela diz – as pessoas ficavam xingando a gente na manifestação. Hoje isso não acontece mais.”

Algo está mudando. As manifestações são educativas e muitos percebem hoje que esses que não saíram das ruas desde abril de 2016, afinal estavam certos.

Dona Ana não está preocupada com as acusações feitas contra Temer na lava jato. Ela percebe incorreção, indecência naquilo que o presidente ilegítimo tem feito e proposto para o país. Seu julgamento antecede as condenações da famigerada lava-jato e não aguarda por isso. De seu ponto de vista Temer já vem agindo incorreta e desonestamente contra o povo independentemente das dezenas de citações contra ele nas delações premiadas.

Como diz Jonny, trabalhador de 37 anos presente na manifestação na sexta. “Do jeito que está ninguém vai ter futuro.” Fala isso, também como pai de uma filha pequena. Complementa: “Temer está fazendo o contrário do que a classe trabalhadora precisa.”

Senhor João, 58 anos, professor da rede pública diz estar com muito receio do futuro devido a “uma retirada de direitos numa escala muito rápida.” E acrescenta :“todos os dias muda tudo no sentido de retirar direitos do trabalhador.” E exortando Temer: “O Brasil precisa de brasileiros.”

O jovem Fábio, de 20 anos, estudante de escola estadual pública também receia pelo futuro. “Vim aqui pelo meu futuro” Estão todos com clareza de que o atual governo replica práticas do passado, trabalhando para desmontar o que foi construído por muitas mãos.

Sexta-feira não houve violência policial. Haja bomba e bala para tanta manifestação, para tanta gente que se prolifera, acredita e ocupa as ruas a cada chamado pelos movimentos e mídias sociais.

Fora TEMER! GILMAR, JOBIM e MORO, jamais!

A manifestação praticamente se encerra com Arrastão dos Blocos, que entoando marchinhas estilizadas, volta a agregar os dispersos já no fim da ato:

EI SE LIGA AÍ…TEMER TEM QUE CAIR.. TEMER TEM QUE CAIR… PAH PAH PAH PAH PAAHO Bom humor do Arrastão dos blocos na manifestação na av. Paulista dia 31 de março.Por Maria Lúcia Marcondes Macedo • Jornalistas LivresObs: com legendas corrigidas. 😀 o/

Posted by Jornalistas Livres on Sunday, April 2, 2017

Cadê o pato que tava aqui no teu saguão

Amarelinho de borracha

representa o patrão

Cadê, cadê

quero assá, quero cumê!

Dia 28 tem mais.