O Vulgar em Haruki Murakami. Agulha nº 11. Carlos Sippert

Haruki Murakami atualmente é um dos mais conhecidos escritores japoneses; seu nome, está ao lado de autores tais como Yukio Mishima, Kenzaburo Oe e Yasunari Kawabatta. Entre suas principais obras estão: Caçando Carneiros (2001),  (2014), 1Q84 (2012), O Incolor Tsukuru(2014). Criticado pelo tradicionalismo japonês[1], seu estilo literário é complicado de ser definido. Neste breve comunicado, …

Há 50 anos, um oásis em tempos sombrios chamado Museu Lasar Segall Editorial Psicanalistas pela Democracia

Em meio ao cataclisma de retrocessos no Brasil, é necessário e comum que, vez ou outra, procuremos abrigo, quietude, lugar de pensamento e de reposição das energias e renovação do sentido utópico de nossos conceitos e desejos sobre o Brasil que amamos, e que não cessa de ser vilipendiado, agredido, extorquido pela elites do atraso, …

Não haverá tempo para as lágrimas.Paulo Endo/Psicanalistas pela Democracia

Não haverá tempo para lágrimas Paulo Endo-Psicanalistas pela Democracia Para quem esteve nas últimas horas e dias em São Bernardo do Campo apoiando a democracia, o direito de Lula a ser candidato, a união das esquerdas, o fim do escárnio e do arbítrio do sistema judiciário, a certeza de uma agenda social pautada sobre lutas …

Suicídio no Trabalho: a falha do empreendedor de si? Agulha nº 10. Elisangela Carpenedo de Mattos

“Sra. V.B. é uma mulher de quarenta e três anos. Ela é executiva em uma empresa high-tech, matemática de formação com pós-graduação em informática. Adorava os estudos, devorava os livros, fazia vários cursos. É admitida em uma empresa onde imediatamente é valorizada e trabalha na concepção de ferramentas informatizadas. Em seguida, passa a trabalhar no …

O fracasso como processo e os sistemas como promotores da criação. Agulha nº 9. Marcelo Armesto dos Santos

  Meu trabalho envolve imagens; parte ou, de alguma forma, sempre volta a elas. E, como forma de manter em mente sua primazia em minha pesquisa poéticas, comecemos por uma delas. Venho desenvolvendo um caderno como uma espécie de índice desorganizado, de manual ao contrário, de repositório de perguntas, de ideias e de trabalhos que …

O que o assassinato de Marielle e o julgamento de Lula tem em comum? Tudo. Paulo Endo

Na última quinta feria assistimos uma atrapalhada sessão do STF diante da pauta do acolhimento ou não do julgamento do Habeas Corpus de Lula solicitado por sua defesa.   Houve momentos que hilários em que Rosa Weber parecia estar votando no que não queria votar e não dar o seu voto ao que, na verdade, …

À espera de imagens ou imagens da espera: como resistir?* Agulha nº 8. Karine Szuchman**

O que se espera? Do que é feita uma espera? Entre aguardar e desejar a espera faz-se limiar. Para dar contorno a essa imagem será preciso rondar. “Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Que esperamos? O que nos espera?” Com essas palavras, Ernest Bloch (2005, p.13) inicia o prefácio de sua obra “O …

“Os ecos de Marielle”, Por Gabriela Gomes Costardi

Infelizmente, eu não conhecia Marielle Franco antes de sua execução. Mesmo assim, a morte dela me afetou profundamente. Marielle transgrediu a linha que lhe era destinada. Por ser negra, pobre e favelada, estava descoberta de direitos, esperava-se que vivesse e morresse em silêncio. Mas teve voz quando viva e, depois de assassinada, continua sem se …

Canetas que desarticulam reformas: imagens de retrocessos.* Agulha nº 7. Karla Julliana da Silva Sousa**

Escrevo em meio a um momento conturbado: para mim, que elaboro o projeto de qualificação do mestrado em psicanálise; para o país, que vive uma série de retrocessos políticos. Esses dois aspectos acabam, então, se articulando na minha escrita por estarem, a meu ver, indissociados. Meu projeto, sobre os caminhos de uma clínica psicanalítica em …

Ser equilibrista: tempos, destempos e contratempos.* Agulha nº 6. Maira da Costa**

  A proposta desse texto é poder traçar um fio entre clínica, arte e política. São emaranhados de palavras que aos poucos vão dando lugar aos (des)enlaces da escrita. Nesse sentido, o fio que sustenta tais formulações segue um breve roteiro: inicia a partir da questão sobre a clínica com crianças e os tempos do …

“O Governo TEMER precisa ser responsabilizado e o 41o. batalhão profundamente investigado”

“Precisamos gritar para que todos saibam o está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com …

Feminismo(s) como utopia. Agulha nº 5. Carolina Eidelwein¹

Em 1405, Cristina de Pizán, uma precursora da escrita profissional na literatura francesa, toma a palavra – em um período histórico em que não era algo trivial uma mulher fazê-lo – e trata de escrever uma história das mulheres desde uma perspectiva feminina. Ela publica O Livro da Cidade das Mulheres², considerado uma clara antecipação …

Título provisório de um texto inacabado: Sobre rasuras, esboços e utopias. Agulha nº 3. Ariane Santellano*

“E começo aqui e meço aqui este começo. O que importa não é a viagem mas o começo da”. Pego emprestadas as palavras de Haroldo de Campos[1] do seu “Galáxias” para rasgar a folha em branco, ainda não escrita, ainda não pintada, ainda não rasurada, ainda não. O cru da folha em branco, tela em …

O que é um lugar?* Agulha II. Léo Tietboehl**

O que é um lugar? *Trabalho apresentado originalmente no seminário Agulhas para desativar bombas, realizado em dezembro de 2017  pelo Laboratório de Pesquisa em Psicanálise Arte e Política/ UFRGS.  **Léo Tietboehl é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Realiza atualmente o Percurso em …

“A exceção e a regra: Bolsonaro e o legado da ditadura” Por Janaína de Almeida Teles

Texto publicado no Painel Acadëmico – São Paulo – 25/07/2016 O pedido de impeachment, a tortura e a herança autoritária no Brasil em perspectiva No Brasil, desde o fim dos governos militares, tratava-se de (re)construir a democracia. Muitos diziam que a defesa dos direitos humanos deveria se voltar para a maioria esquecida da população, que …