Mês: Março 2018

O fracasso como processo e os sistemas como promotores da criação. Agulha nº 9. Marcelo Armesto dos Santos

  Meu trabalho envolve imagens; parte ou, de alguma forma, sempre volta a elas. E, como forma de manter em mente sua primazia em minha pesquisa poéticas, comecemos por uma delas. Venho desenvolvendo um caderno como uma espécie de índice desorganizado, de manual ao contrário, de repositório de perguntas, de ideias e de trabalhos que …

O que o assassinato de Marielle e o julgamento de Lula tem em comum? Tudo. Paulo Endo

Na última quinta feria assistimos uma atrapalhada sessão do STF diante da pauta do acolhimento ou não do julgamento do Habeas Corpus de Lula solicitado por sua defesa.   Houve momentos que hilários em que Rosa Weber parecia estar votando no que não queria votar e não dar o seu voto ao que, na verdade, …

À espera de imagens ou imagens da espera: como resistir?* Agulha nº 8. Karine Szuchman**

O que se espera? Do que é feita uma espera? Entre aguardar e desejar a espera faz-se limiar. Para dar contorno a essa imagem será preciso rondar. “Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Que esperamos? O que nos espera?” Com essas palavras, Ernest Bloch (2005, p.13) inicia o prefácio de sua obra “O …

“Os ecos de Marielle”, Por Gabriela Gomes Costardi

Infelizmente, eu não conhecia Marielle Franco antes de sua execução. Mesmo assim, a morte dela me afetou profundamente. Marielle transgrediu a linha que lhe era destinada. Por ser negra, pobre e favelada, estava descoberta de direitos, esperava-se que vivesse e morresse em silêncio. Mas teve voz quando viva e, depois de assassinada, continua sem se …

Canetas que desarticulam reformas: imagens de retrocessos.* Agulha nº 7. Karla Julliana da Silva Sousa**

Escrevo em meio a um momento conturbado: para mim, que elaboro o projeto de qualificação do mestrado em psicanálise; para o país, que vive uma série de retrocessos políticos. Esses dois aspectos acabam, então, se articulando na minha escrita por estarem, a meu ver, indissociados. Meu projeto, sobre os caminhos de uma clínica psicanalítica em …

Ser equilibrista: tempos, destempos e contratempos.* Agulha nº 6. Maira da Costa**

  A proposta desse texto é poder traçar um fio entre clínica, arte e política. São emaranhados de palavras que aos poucos vão dando lugar aos (des)enlaces da escrita. Nesse sentido, o fio que sustenta tais formulações segue um breve roteiro: inicia a partir da questão sobre a clínica com crianças e os tempos do …

“O Governo TEMER precisa ser responsabilizado e o 41o. batalhão profundamente investigado”

“Precisamos gritar para que todos saibam o está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com …

Feminismo(s) como utopia. Agulha nº 5. Carolina Eidelwein¹

Em 1405, Cristina de Pizán, uma precursora da escrita profissional na literatura francesa, toma a palavra – em um período histórico em que não era algo trivial uma mulher fazê-lo – e trata de escrever uma história das mulheres desde uma perspectiva feminina. Ela publica O Livro da Cidade das Mulheres², considerado uma clara antecipação …